Paulista de Tupã, deixou a advocacia para dedicar-se à arte. Autodidata, sempre pintou. Seus quadros dividem-se entre natureza e mulheres nuas. Começou com argila mais recentemente e fazendo mulheres, elas foram se despindo aos poucos, conforme aperfeiçoava sua técnica.

Conta que quando viu pela primeira vez na TV o Pelourinho, morreu de vontade de morar numa de suas casas. O Sonho se realizou e hoje a artista mora em Salvador, com vista para a Baía de Todos os Santos.  

E é nesta paisagem histórica que a artista plástica comanda as produções de seu Atelier, no centro Histórico, no sobrado onde mora e  onde seus quadros e painéis estão em exposição permanente. É ali que fica seu estúdio e onde suas delicadíssimas meninas feitas de argila nascem.

        -   Revoada de bem te vis -
Cedido ao Acervo do Museu de Arte Contemporanea da Bahia.